É pensando nos Municípios ou no interesse da corporação?

Ainda sobre as manifestações frequentes de procuradores em artigos e seminários de reforma na cobrança do crédito tributário.

É estranho! Por anos só executaram. E mais nada. Nunca propuseram avanços. Agora que as administrações se abrem para os mais variados modelos existentes, inclusive com apoio dos tribunais, os nossos procuradores começam a encontrar necessidades de discutir uma reforma na cobrança dos créditos.

Mas, quando paramos para analisar nada mais é do que iniciativas e ideias construídas com posições em concentrar apenas nas procuradorias as alternativas e modelos de negociação. Com o objetivo de trazer para dentro da sua estrutura algo que saiu porque o modelo baseado apenas em execuções fracassou.

Não podemos condenar a iniciativa. Mas o passado da cobrança centrado apenas nas procuradorias não é um bom exemplo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *